Denúncias (86) 98848-1916

Curta no Facebook

Conheça nosso Instagram

Acesso nossos vídeos

Faça sua doação

Política de Proteção Infantil

Código de Ética e Conduta 

Seja Sócio da Amare

Pesquisar para Melhorar

Por Artur de Paiva

Desde 2018, a equipe da AMARE confere o impacto da sua intervenção socioeducacional no desempenho escolar e nas habilidades socioemocionais de seus assistidos. A partir de 2019, seus achados foram acompanhados por um grupo de docentes da Universidade Federal do Piauí, formado pelo hoje reitor Dr. Gildásio Guedes e pelas professoras Dra. Amada de Cássia Campos Reis e Marta Suzany Moura Carvalho. Seus resultados foram inspirados e são respaldados em pesquisas semelhantes do Instituto Airton Senna (IAS) na década passada. No entanto, a ampliação do leque de contribuições observacionais para o olhar de quatro atores educacionais sobre as aquisições dos assistidos envolvidos, era única neste formato.

Dra. Marta Susany Moura Carvalho e Dra. Amada de Cássia Campos Reis, pesquisadoras da UFPI, em planejamento com a equipe AMARE, em janeiro de 2020

Em junho de 2021, logo após a pausa forçada pela pandemia, a equipe de investigação psicossocial retomou sua pesquisa sobre o desenvolvimento das cinco macrocompetências socioemocionais, as “Big Five”. No final do segundo semestre de 2021, se confirmava, entre os observados, uma alteração comportamental positiva em oito pontos percentuais comparada com os dados iniciais levantados em junho de 2021. Vide Pesquisa Socioemocional 2021. No entanto, ela era eivada de uma ausência grave, – o olhar do professor da rede de ensino que continuava no seu distanciamento social e longe dos alunos.

A evolução socioemocional é aferida por quatro olhares: autoavaliação, avaliação de pais ou responsáveis, dos educadores da instituição e, no último estágio, pelos professores da rede de ensino. Especialmente para este fim, foi utilizado um aplicativo digital que facilita a coleta de forma remota e o gerenciamento dos dados levantados. O app foi desenvolvido pela psicóloga institucional Hianca Fontineles Aguiar junto com o web designer piauiense Marcos Iran da Silva Waquim. (Vide amarebrasil.org.br/app.)

Com o fim de avaliar especialmente o desenvolvimento de 82 crianças e adolescentes iniciantes, recém-ingressados em fevereiro de 2022, a pesquisa, em 2022, foca sobre dois momentos, – o início, logo após o ingresso no sistema de serviços de convivência e educação integral, e o fim do ano, após ter percorrido o processo diário de atendimento socioassistencial e atenção psicossocial ao longo de dez meses. O assistido é analisado em seis aspectos: abertura ao novo, autogestão, engajamento com os outros, amabilidade, resiliência emocional e desempenho escolar.

Em sua primeira fase, psicólogos da AMARE promoveram a capacitação com os assistidos, para compreenderem melhor as próprias emoções, habilidades e atitudes. A este procedimento de treinamento foram também submetidos os pais e avós que têm filhos ou netos que frequentam a instituição.  Eles compreenderam o real motivo da OSC estar realizando este levantamento e como ele pode ajudar na desenvoltura de seus filhos de forma institucional, familiar e escolar.

Treinamento no aplicativo de pesquisa com as educadoras da AMARE,  junho de 2021
Hianca Fontineles Aguiar, a coordenadora da pesquisa, explica o aplicativo a pais e responsáveis.

Com as educadoras da AMARE e os professores das escolas parceiras não foi diferente. No período de março a maio de 2022, os pesquisadores da AMARE, a psicóloga Hianca Fontineles e o professor Artur Miranda, iam até as escolas para conversar com os docentes de cada assistido.

Desta vez, a avaliação inicial foi realizada com sucesso por todos os envolvidos, em um contato direto da AMARE com os profissionais da rede pública. Cada encontro era uma oportunidade de conversar, conhecer e compreender casos diversificados. Professores falavam sobre como AMARE auxilia no processo educativo do aluno e como poderia ajudar em situações complexas que afetam não só na trajetória escolar, mas na vida pessoal da criança e do adolescente.

A pesquisa socioemocional, especificamente na sua quarta dimensão junto ao magistério, possibilita a AMARE estreitar relações com as escolas parceiras, abrindo novas perspectivas para a inovação metodológica de trabalho e fortalecimento das estratégias trabalhadas em cada oficina.

Vide outras matérias relacionadas a pesquisa nos links abaixo:

UFPI pesquisa o Impacto Socioeducacional da AMARE

Pesquisa Socioemocional 2021