101 Anos de Esperantina!

Terra da Boa Esperança comemora 101 Anos.

      

Nossa querida Esperantina é o berço de centenas de crianças atendidas por AMARE.
Elas tiveram a honra de serem convidadas pela prefeita Ivanária Sampaio a participarem das festividades do aniversário da cidade, na noite de 28 de setembro de 2021, na praça Lages Rebelo.

A garotada  apresentou o que sabia de melhor, com muito talento, alegria e gratidão pelo convite tão especial.

              

A história da cidade foi contada através de um belíssimo poema, criado especialmente pelo artista esperantinense Artur Paiva, que conduziu o enredo de toda a apresentação.

Os grupos de canto coral, dança, teatro e a banda AMARE revelaram os resultados da transformação que a entidade proporciona às crianças, – e os muitos motivos para acreditar em uma Esperantina melhor, num futuro não tão distante.

E, de surpresa, veio uma chuva, boa e refrescante, para animar os espectadores,  logo no início da noite tropical de um verão causticante.

Confira aqui o texto do poema de Artur Paiva:

Esperantina, terra do amor

Do peixe e da vaquejada

Uma cidade maravilhosa

Que por teu povo é amada

Desde a sua fundação

Muitos anos se passaram

Quando não se tinha nada

Os vaqueiros então chegaram

 

A Cachoeira do Urubu

É de se admirar

Um dos pontos turísticos

Junto com o Rio Longá

 

Uma terra de cultura

De talento e aptidão

Tem cantor, dançarino e poeta

Um lugar de vocação

 

Vez ou outra também tem

As farinhadas famosas

Evento que é tradição

Que entre o povo já é moda

 

As quebradeiras de coco

Por aqui são conhecidas

Muitas seguiram nesse trabalho

Para poderem levar a vida

 

É nesta terra que vivemos

Que um amor então nasceu

Lutando por tanta gente

Amare aqui cresceu

 

Nesta terra de amores

De ensinos e lições

Amare em Esperantina

Vem transformando os corações

 

Apadrinhar é um gesto de amor

Venha também ser o nosso bem feitor

Abra seu coração

Você pode de fazer uma boa ação

 

É a terra da história

De um massacre que ocorreu

De ciganos andarilhos

Que aqui aconteceu

 

Ciganos que procuravam

Pela cidade passar

Só não sabiam que aqui

Suas vidas iriam se findar

 

E de todos os ciganos

Desta nossa região

Nenhum é mais conhecido

Do que o menino Roldão

 

Um pequeno gitano

Um cigano inocente

Foi morto durante o massacre

Ao se perder de sua gente

 

Hoje é tido como santo

O menino ciganinho

Que roga por esse povo

Que o tem com muito carinho

 

Esperantina é lugar de Fé

Um povo de devoção

Muitos aqui são devotos

De Mártir São Sebastião

 

Mas tem aqueles também

Que dizem com segurança

Que amam a Mãezinha do céu

Nossa Senhora da Boa Esperança

 

Os padroeiros da cidade

Que por aqui são venerados

E todo ano, pelo povo

Na igreja são festejados

 

Esperantina minha terra

Minha doce moradia

Que Nossa Senhora da Boa Esperança

Te abençoe todo dia

 

A cidade está de cara nova

É tempo de transformação e alegria

A prefeita Ivanária traz esperança

Para a nossa querida Esperantina

 

Tanto a amo e quero bem

Que te quero festejar

Teu hino te representa

Em todo e qualquer lugar

 

No Retiro de verdes ramagens

Junto ás margens do Rio Longá

O hino de nossa Esperantina

É o mais representativo que há

 

Tanto é que quem escuta

Acha bonito e quer aprender

E quem nunca o ouviu

Agora é a hora de se surpreender